Reunião de Urgência com Fernando Alexandre – Novo ME – Sobre As Provas Digitais Pedida Pelos Diretores

Fernando Alexandre vai receber um pedido das escolas na terça-feira, quando o novo Governo assumir funções, sabe o Observador. Diretores querem saber se mantém provas digitais ou se volta ao papel.

O novo Governo vai assumir funções na próxima terça-feira e, nesse mesmo dia, os diretores das escolas vão pedir uma reunião com carácter de urgência a Fernando Alexandre, novo ministro da Educação, Ciência e Inovação, adianta Filinto Lima, presidente da Associação Nacional de Diretores de Agrupamentos e Escolas Públicas (ANDAEP), ao Observador. O novo responsável pela pasta da Educação só foi nomeado esta sexta-feira, mas as escolas querem saber o que pretende fazer em relação às provas de aferição dos 2.º, 5.º e 8.º anos e às provas finais do 9.º ano — se mantém o formato digital, como deixou o anterior Governo, ou se reverte a decisão e opta pela continuidade do papel e da caneta.

Este é, aliás, o grande desafio que o novo ministro terá em mãos a curto-prazo. Ainda antes de se preocupar com a recuperação do tempo de serviço congelado dos professores — os seis anos, seis meses e 23 dias –, Fernando Alexandre terá de garantir que as provas de aferição e as provas finais do 9.º ano, com estas últimas a contar para avaliação, decorrem sem problemas.

As provas começam em maio, mas há alunos que ainda não têm computadores, outros que não conseguem aceder à internet e muitas escolas ainda não sabem sequer como vão garantir que existem tomadas suficientes para que os alunos possam carregar os computadores durante as provas. Diretores de escolas, professores e pais consideram que a melhor solução é reverter a decisão do ainda ministro — até terça-feira — João Costa.

O Governo de António Costa ainda libertou uma verba de 6,5 milhões de euros durante este mês de março, exclusivamente destinado à aquisição de novos computadores para todos os alunos que ainda não têm um, mas o dinheiro ainda não chegou às escolas. Aliás, a verba é dada pelo Governo, é certo, mas são as escolas que terão de abrir concursos para a comprar dos equipamentos.

“O processo agora passou para nós, mas as escolas ainda não têm verbas nenhumas. É uma grande responsabilidade que estão a pôr nas costas dos diretores. Querem que tenhamos uma varinha mágica e que façamos, no período de alguns dias, aquilo que a tutela não fez durante muito tempo — muitos meses, ou até anos”, explicou Filinto Lima, na semana passada, ao Observador. Além disso, os computadores que estão avariados, vão continuar com problemas, uma vez que os 6,5 milhões de euros serão apenas para a compra de novos computadores e não para arranjos.

Fonte: Provas digitais. Diretores das escolas vão pedir reunião de urgência ao novo ministro da Educação – Observador

Total
0
Shares
Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Prev
Conheça Fernando Alexandre, O Novo Ministro da Educação

Conheça Fernando Alexandre, O Novo Ministro da Educação

Dois anos depois da liderança de João Costa no Ministério da Educação, Fernando

Next
Provas de Aferição Deverão Acabar e Provas Finais Feitas em Papel Já Este Ano

Provas de Aferição Deverão Acabar e Provas Finais Feitas em Papel Já Este Ano

Notícia de hoje, no Jornal O Nascer do Sol

You May Also Like
Total
0
Share