A Mensagem Do Presidente da República – “Porque só o vosso voto decide”

O Presidente Marcelo Rebelo de Sousa dirigiu uma mensagem aos Portugueses a propósito da realização, no dia 10 de março de 2024, das Eleições Legislativas.

“Portugueses,

Terminou ontem um longo período pré-eleitoral e eleitoral, que permitiu Congressos e Convenções, eleição ou confirmação de líderes, apresentação de programas, realização de entrevistas e debates, nacionais, regionais e locais, além de ampla difusão de pessoas e posições, através de clássicos, novos e novíssimos meios de comunicação.

Tudo com o objetivo de motivar e mobilizar a decisão dos Portugueses. Tudo com a certeza de que ninguém – pessoa ou instituição – pode substituir ou sequer condicionar, o sentido final da vontade popular.

Olhando para estes meses, é possível encontrar muitas semelhanças entre o que dominou as eleições de 2022 e o que domina as de 2024.

Em 2022, as preocupações eram três, duas claramente expressas, outra tratada a meia voz.

Expressas, eram – uma – a recuperação da economia, depois de dois anos de COVID-19; – a outra – os efeitos dessa recuperação na vida das pessoas, em particular no seu poder de compra e na saúde, que tinha tido de adiar cuidados pela urgência do combate à pandemia.

Não expressa, era aquilo que, então, no meu apelo ao voto, chamei agravamento das tensões internacionais. Por outras palavras, o medo de que a paz falhasse e a guerra ocorresse na Ucrânia.

Hoje, sabemos que a guerra atingiu a Ucrânia e o seu povo, vinte e quatro dias depois das eleições de 2022 e ainda dura, que provocou nova crise económica – sobretudo no galope dos preços –, que outro conflito se agravou no Médio Oriente e que tudo isso travou a desejada recuperação e atingiu severamente a vida das pessoas –, hoje, as três grandes preocupações são muito semelhantes às de 2022.

Duas, expressas. Uma terceira, pensada por todos mas falada por muito poucos.

As duas expressas são – uma – a urgência de acelerar a recuperação da economia, sacrificada pela guerra em 2022, reiniciada em 2023, mas, agora, à espera do que se passe no mundo e na Europa; a outra – os efeitos desse compasso de espera, provocado pelas guerras, na saúde, na habitação, na educação, noutras áreas sociais, para os mais jovens – sobretudo o desemprego – para os menos jovens – sempre a garantia futura das pensões e das reformas.

A preocupação quase silenciada, ou falada a meia voz, mas que acaba por determinar tudo o demais, é: o que se passará lá fora, este ano e nos anos seguintes? Nas eleições americanas, nas eleições europeias, no que significarão para a guerra na Ucrânia, o Médio Oriente, as tensões no Mar Vermelho, a economia mundial e, novamente, a subida de preços e o custo dos juros.

No fundo, aquilo que é decisivo para o arranque da economia, para as condições de vida de todos, especialmente os mais pobres, os mais excluídos, os mais dependentes. Mas, também, para a defesa nacional e para a segurança, e para outras instituições soberanas, como a Justiça.

Em tempos de guerra e de insegurança, olhar também para estas áreas mais expostas ao ambiente vivido e das quais os Portugueses mais esperam certeza e previsibilidade, é muito importante.

Portugueses,

Em tempos assim – nos quais as guerras vieram relançar guerras económicas e sociais, que esperaríamos ultrapassadas pelo fim da pandemia –, é nesses tempos que importa mais votar.

Mesmo para aqueles que, nos últimos meses, não prestaram atenção ao que se passa lá fora, até porque já vivem suficientemente apreensivos com o seu dia a dia cá dentro, é, nestes instantes, que mais importa votar.

Tal como para os muitos que se afastaram, que se cansaram, que se desiludiram, é em momentos mais graves, como estes, que mais importa votar.

Em 2024, passam cinquenta anos do 25 de Abril e quarenta nove do primeiro voto direto de todas as mulheres e homens de mais de dezoito anos em séculos de vida de Portugal.

Fecha-se um ciclo de meio século da nossa História, abre-se outro, com novos desafios, novas exigências, novas ambições, mas sempre com os mesmos valores: Democracia, Liberdade e Igualdade.

Porque os tempos são mesmo muito difíceis – lá fora e, por isso, cá dentro.

Porque nesses tempos – baixar os braços é sempre a pior solução.

Porque um voto desperdiçado, quando mais fazia falta, nunca é compensado por outro voto, mais tarde, porque o tempo não pára, e, muito menos, volta para trás.

Porque só o vosso voto decide, só o vosso voto escolhe, só o vosso voto é a palavra final.

Não é a vontade de mais ninguém no nosso País, é a vossa vontade, é o vosso voto.

Por tudo isto, e ainda por ser este um momento de dar nova vida, em estabilidade e em segurança, à nossa Liberdade, à nossa Igualdade e à nossa Democracia, apelo ao vosso voto.

A pensar no vosso futuro, no futuro dos vossos filhos e dos vossos netos.

A pensar no futuro de Portugal.

Muito boa noite.”

Total
0
Shares
Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Prev
Nomes De Ministeriáveis: João Costa Deverá Ficar, Caso o PS Vença

Nomes De Ministeriáveis: João Costa Deverá Ficar, Caso o PS Vença

Nomes de ministeriáveis já agitam os bastidores (sapo

Next
Afluência às urnas é de 25,21% até ao meio dia

Afluência às urnas é de 25,21% até ao meio dia

A afluência às urnas é de 25,21% até ao meio dia, ou

You May Also Like
Total
0
Share