Nova greve dos professores para os dias 2 e 3 de março

Fenprof anuncia nova greve dos professores para os dias 2 e 3 de março – CNN Portugal (iol.pt)

O secretário-geral da Fenprof, Mário Nogueira, anunciou este sábado uma nova greve dos professores para os dias 2 e 3 de março, durante o discurso no protesto que juntou dezenas de milhares de docentes em Lisboa.

O dirigente sindical sublinhou que esta foi “provavelmente” a “maior manifestação de sempre de professores e educadores em Portugal”. Mário Nogueira fala em 150 mil participantes na manifestação de professores.

“Hoje estamos a apontar, sem medo de errar, para dizer que nas ruas, [entre] professores, as famílias e gente solidária, esta manifestação teve mais de 150 mil a descer a Avenida [da Liberdade]”, disse o secretário-geral da Federação Nacional dos Professores (Fenprof), no discurso de encerramento do protesto, no Terreiro do Paço.

Segundo a organização, quando os primeiros manifestantes começaram a chegar ao Terreiro do Paço, os últimos ainda não tinham saído do Marquês de Pombal.

A secretária-geral da CGTP-IN, Isabel Camarinha, também marcou presença no protesto e, em declarações aos jornalistas, a caminho do Terreiro do Paço, sublinhou que, “a cada reunião com o Ministério [da Educação] os professores estão a vir ainda em maior numero à luta, às manifestações, à greve”.

“Que se mudem as opções, o Governo tem de perceber que não pode andar atrás de contas certas, deixando que a escola pública, a saúde e um conjunto de serviços que é o Estado que tem de garantir estejam a perder qualidade, que haja um desinvestimento e subfinanciamento à conta de umas contas certas que só são contas certas para as grandes potências da União Europeia, não são contas certas para os portugueses, para o desenvolvimento do nosso país”, considerou a dirigente sindical.

Os professores voltaram hoje a participar em mais uma manifestação nacional, em Lisboa, convocada pela Fenprof, mas também com a participação da Federação Nacional de Educação (FNE) e outras sete organizações sindicais, bem como da Associação de Oficiais das Forças Armadas e de representantes da PSP.

O Sindicato de Todos os Profissionais da Educação (STOP), que ainda tem uma greve a decorrer nas escolas, não faz parte dos organizadores, mas já anunciou que vai estar presente.

As duas últimas grandes manifestações em Lisboa aconteceram em janeiro e foram organizadas pelo STOP, levando milhares de docentes para as ruas gritar por “Respeito” e “Melhores Condições de Trabalho”.

No início do ano letivo, a tutela decidiu iniciar um processo negocial para rever o modelo de contratação e colocação de professores, mas algumas propostas deixaram os professores revoltados, como foi o caso da possibilidade de os diretores poderem escolher parte da sua equipa.

Desde então, as negociações entre sindicatos e ministério têm decorrido em ambiente de forte contestação, com os professores a realizarem greves e manifestações.

Fora da agenda negocial, estão reivindicações que os professores dizem que não vão abandonar, tais como a recuperação do tempo de serviço ou as progressões na carreira que os docentes.

A plataforma sindical que organizou o protesto de hoje prometeu que no final da manifestação serão apresentadas futuras ações de protesto.

Total
0
Shares
Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Prev
“Não paramos. A luta vai continuar”.

“Não paramos. A luta vai continuar”.

 “Não paramos

Next
Mais de 150 mil pessoas na manifestação em Lisboa

Mais de 150 mil pessoas na manifestação em Lisboa

Mais de 150 mil pessoas na manifestação de professores em Lisboa – SIC

You May Also Like
Total
0
Share